Paciência…

Paciência é uma das grandes virtudes do Ser Humano e tem ficado de lado em muitas situações. Como está a sua?

E aí, beleza?Paciência Gabriel Metzler

Cobrança no trabalho, contas, trânsito, insegurança são apenas alguns fatores que tem tirado a paciência de muita gente. Normalmente a falta de paciência reflete nos relacionamentos com as pessoas que gostamos. Neste texto serão abordados algumas questões importantes ligadas a paciência, uma das grandes virtudes do Ser Humano.

A Paciência e o autocontrole andam de mãos dadas.

Ter paciência é controlar as emoções e manter-se calmo diante de situações que gerem incômodos. A paciência também é exercitada quando é necessário aguardar por algo, seja uma resposta ou uma entrega, enfim, fatores que não dependem da sua vontade ou ação.

A paciência é facilmente percebida em pessoas maduras emocionalmente. Paciência significa não agir com pressa, ser atento e cuidadoso com o que se está fazendo; saber ouvir, ver, sentir e falar. Só que paciência tem limite!

Confesso que eu não era muito paciente, só que a vida foi me ensinando que a paciência nos proporciona muitas vantagens e vitórias. Quando sofri o acidente, em 1998, estava sendo disputada a Copa do Mundo da França e lembro que, ainda no Hospital, um médico me falou que eu logo voltaria a enxergar. Eu no auge dos meus 15 anos, e como você sabe, adolescente tem muita paciência, pensei que em poucos dias estaria vendo tudo outra vez e poderia acompanhar os jogos da Copa.

Logo na primeira consulta com o oftalmologista já percebi que não seria bem assim e foi ali que comecei a aprender a ter paciência. Foram três cirurgias em um curto período de tempo e após cada uma delas, devido a técnica usada, eu precisava ficar 10 dias de bruços. Isso mesmo, 10 dias de bruços… Foram dois meses até começar a enxergar vultos.

Lembro claramente uma frase que o Dr. Carlos Augusto Moreira Jr., meu oftalmologista e amigo, falou: “Gabriel, temos que dar tempo ao tempo” e ela parece simples, porém traz um significado enorme quando se trata de paciência.

Conforme o tempo foi passando, fui desenvolvendo a paciência. Hoje já estou bem melhor que antes, e ainda longe do ideal.

Atualmente, após a perda da visão, tenho exercitado e muito a paciência. Em alguns casos, situações simples do dia-a-dia exigem um esforço enorme para manter a calma. Podem ser situações em que estou sozinho, fazendo atividades e que encontro dificuldades por não enxergar ou situações em que dependo da ajuda de outras pessoas para fazer.

E você, sabe como está a sua paciência?

Muitas vezes, coisas simples nos tiram do sério. O calor, o telefone que não funciona, uma fechada no trânsito, etc. Quantas mortes tem ocorrido por discussões que começaram por uma questão banal?

O senso de urgência, a necessidade neurótica de estar sempre certo, de querer as coisas sempre do nosso jeito vão gastando nossa reserva de paciência. Junto com esse desgaste, vem as consequências, e normalmente não são boas para o nosso corpo. Liberação de Cortisol, ansiedade, raiva, dor de cabeça, pressão alta são apenas algumas das terríveis consequências que a falta de paciência nos traz.

Três dicas que eu deixo aqui, para você aplicar na sua vida e ter mais paciência são:

– Você fez a sua parte. Em muitas situações nós dependemos dos outros. Nós temos que fazer a nossa parte e esperar que os outros façam. Não precisa esperar de braços cruzados. Seja em casa ou no trabalho, orientar como fazer pode evitar muito desgaste. Ninguém dá o que não tem. Assim como você não gosta de ser cobrado por algo que você não sabe fazer, não faça isso com os outros. Caso a pessoa não saiba fazer, explique como fazer, e faça isso calmamente. Sob stress ou nervosa, a pessoa certamente não produzirá 100%.

– Você quer ter razão ou ser feliz? Muita gente quer sempre ter razão. Em algumas situações aceite a opinião dos outros. Isso não vai fazer de você menos competente ou capaz.

– A persistência é aliada da paciência. Como no caso que falei, da minha recuperação das cirurgias, a paciência e a persistência caminharam sempre juntas. Eu sabia claramente onde queria chegar, e por mais difícil que fosse ficar tanto tempo de bruços, exercitei minha paciência junto com a persistência e consegui alcançar meu objetivo.

A paciência é uma virtude, e exige muito treino para ser desenvolvida. Passamos por desafios e provas diárias e se você encarar essas situações de forma positiva e enxergá-las como oportunidades para praticar, logo a sua paciência estará bem desenvolvida.

Tenha você também um novo olhar para a paciência.

Grande abraço!

Pensamento Positivo até ajuda…

Pensamento positivo até ajuda, porém ele sozinho não resolve. Muitos querem ganhar, mas não tentam…

E aí, beleza?pensamento positivo

Pensamento positivo está sendo muito comentado. As pessoas dizem que nós temos que pensar positivo, mas só isso resolve? O que é preciso fazer antes de ter o pensamento positivo? Provavelmente você já usou um pouco do seu tempo imaginando o que faria caso ganhasse uma grande quantia de dinheiro, certo? Talvez você tenha pensado nos prêmios milionários da Mega Sena. É tanto dinheiro que fica até difícil imaginar o que fazer. E eu te pergunto, antes de pensar no que você faria com o prêmio, você jogou?

Esse exemplo da loteria serve para ilustrar a atitude que muitas vezes nós temos, em algumas ocasiões de forma consciente e em outras de forma inconsciente. Pode ser que você não goste de loteria e pense que isso não acontece com você, mas como mencionado, esse é só um exemplo ilustrativo.

O pensamento positivo é importante, porém entendo que existem etapas fundamentais que acontecem antes ou juntas com o pensamento positivo.

João trabalha há 4 anos na mesma empresa e ele gostaria de receber uma promoção e todo dia ele pensa positivo, ele acredita que isso vai acontecer. E eu te pergunto, por João ter um pensamento positivo e acreditar em sua promoção, isso vai realmente acontecer?

Sim? Não? Eu diria depende. Depende do que João tem feito além do pensamento positivo para ser promovido. Será que ele tem desempenhado bem suas funções atuais? Será que ele tem se preparado para as responsabilidades do cargo que ele deseja? Essas são apenas duas questões de tantas que poderíamos fazer à João para embasar o seu pensamento positivo.

Eu acredito na força  do pensamento positivo, ser otimista e buscar enxergar o lado bom daquilo que acontece. E também acredito em muito esforço e dedicação para servir de base ao meu otimismo e pensamentos positivos.

Vamos construir juntos essa base sólida para o seu pensamento positivo. Inicialmente são três pontos principais que eu te peço para ser muito honesto. E aqui, quando me refiro a ser honesto, é com você mesmo.

Se você estiver enganando alguém, posso afirmar que esse alguém não sou eu, e sim você.

  • Pense em algo que você realmente deseja que aconteça na sua vida. Pode ser no trabalho, com seus amigos ou na vida familiar.
  • Você acredita que isso é possível de atingir?
  • O que você tem feito para atingir seu objetivo?

O pensamento positivo está ligado diretamente a esses três pontos. No primeiro é você querer algo novo, o desejo de crescer e buscar algo melhor. No segundo, é primordial você acreditar que é possível atingir esse objetivo e no terceiro, o pensamento positivo vai te ajudar a manter-se motivado e irá alimentar o seu esforço e dedicação com a energia necessária.

Poderíamos detalhar cada um dos pontos nesse texto e ele ficaria muito longo e cansativo para a sua leitura. Prefiro dedicar-me exclusivamente ao pensamento positivo e guardar outra oportunidade para tratarmos desses outros itens.

O pensamento positivo me acompanha, de forma mais marcante, desde o acidente em 1998. Eu acreditei muito na minha recuperação. Apesar das graves lesões e da seriedade dos ferimentos, eu apoiado pela família e amigos, e contando com o suporte dos profissionais da saúde, acreditei que seria possível me recuperar. Com muito esforço e dedicação de todos, e principalmente da minha parte, foi possível chegar a níveis superiores aos esperados. Foi difícil, foram muitos dias de bruços, podendo levantar a cabeça apenas para comer, devido a técnica utilizada nas cirurgias dos olhos.

Sempre acreditei na possibilidade de realizar o meu sonho de ser Engenheiro, porém foram 5 anos de Universidade e horas e horas de estudo. E é assim com praticamente tudo em nossas vidas.

Atualmente, no trabalho como palestrante e treinador corporativo, sigo a mesma sequência que apresentei à você. Acredito sim no meu objetivo e tenho trabalhado e estudado muito para atingi-lo. Tenho mantido presente no meu dia a dia o pensamento positivo e ele tem me ajudado muito.

Tenho certeza que ele irá te ajudar também. O pensamento positivo é um hábito, que pode ser desenvolvido e treinado diariamente, bem como a atitude que você tem para alcançar os seus sonhos e objetivos.

Tenha você também um novo olhar para o pensamento positivo.

Grande abraço.

Barreiras, ajudam ou atrapalham?

Barreiras fazem parte do dia a dia de todos. Algumas são necessárias, outras não. Algumas nos ajudam e outras nos atrapalham. Elas interferem na nossa qualidade de vida.

E aí, beleza?Barreiras ajudam ou atrapalham

As barreiras estão presentes no nosso dia a dia e algumas são necessárias, para a nossa proteção. Porém outras são limitadoras e acabam interferindo no nossa qualidade de vida.

As barreiras podem ser de diversas formas. Dois exemplos são as barreiras físicas e as psicológicas.

Um muro, uma cerca são barreiras físicas que muitas vezes nos protegem.

Por exemplo, em uma obra, são colocadas barreiras para limitar a entrada de pessoas em algumas áreas de risco. Infelizmente, nós precisamos de muros e cercas no entorno de nossas casas para nos proteger e nos dar segurança. Indústrias instalam barreiras em alguns equipamentos para proteger e evitar acidentes de trabalho com seus funcionários. No futebol ela protege o time em uma cobrança de falta. O medo é uma barreira psicológica que, muitas vezes, nos protege de correr riscos.

Por outro lado existem muitas barreiras que nos limitam, as vezes até nos impedem de fazer algo.

Muitas barreiras nós criamos em nossa mente e nos limitam, outras são barreiras criadas e impostas pela sociedade e prejudicam muito a qualidade de vida, principalmente das pessoas com deficiência.

Nessa semana, no dia  21 de setembro, é celebrado o Dia Nacional da Luta das Pessoas com Deficiência e na Lei Brasileira da Inclusão, Lei nº 13146/2015, é apresentado um conceito interessante de barreira, que é:

Barreiras: qualquer entrave, obstáculo, atitude  ou comportamento que limite ou impeça a participação social da pessoa, bem como  o gozo, a fruição e o exercício de seus direitos à acessibilidade, à liberdade  de movimento e de expressão, à comunicação, ao acesso à informação, à  compreensão, à circulação com segurança, entre outros, classificadas em:

– Barreiras urbanísticas: as existentes nas vias e nos espaços públicos e privados abertos ao público ou de uso coletivo;

– Barreiras arquitetônicas: as existentes nos  edifícios públicos e privados;

– Barreiras nos transportes: as existentes nos sistemas e meios de transportes;

– Barreiras nas comunicações e na informação: qualquer entrave, obstáculo, atitude ou comportamento que dificulte ou  impossibilite a expressão ou o recebimento de mensagens e de informações por  intermédio de sistemas de comunicação e de tecnologia da informação;

– Barreiras atitudinais: atitudes ou comportamentos que impeçam ou prejudiquem a participação social da pessoa com deficiência em  igualdade de condições e oportunidades com as demais pessoas;

– Barreiras tecnológicas: as que dificultam ou impedem o acesso da pessoa com deficiência às tecnologias;

E essas barreiras afetam diretamente a Acessibilidade. A mesma Lei traz o seguinte conceito para Acessibilidade:

Possibilidade e condição de  alcance para utilização, com segurança e autonomia, de espaços, mobiliários,  equipamentos urbanos, edificações, transportes, informação e comunicação,  inclusive seus sistemas e tecnologias, bem como de outros serviços e instalações  abertos ao público, de uso público ou privados de uso coletivo, tanto na zona  urbana como na rural, por pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida;

Como, com tantas barreiras, uma pessoa com deficiência vai ter autonomia e segurança?

Para mim, a primeira barreira que precisa ser destruída e que terá efeito sobre todas as outras é a Barreira Atitudinal. Essa barreira provoca atitudes ou comportamentos que impedem ou prejudicam a participação social da pessoa com deficiência em  igualdade de condições e oportunidades com as demais pessoas.

Essa barreira está impedindo que as demais barreiras sejam destruídas. Enquanto a pessoa não se conscientizar que a Acessibilidade é boa para todos, inclusive ela própria precisará de acessibilidade em algum momento da sua vida, ela não vai agir para que o local onde ela mora, trabalha ou frequenta seja acessível.

Talvez alguém que está lendo pense, mas quando eu vou precisar de acessibilidade Gabriel?

Como diz a Lei, a acessibilidade é muito útil para a pessoa com deficiência para pessoas com dificuldade de locomoção. Pode ser uma limitação temporária que você tenha como uma perna quebrada, cirurgia no joelho, problema na coluna, enfim, são inúmeras as situações que a acessibilidade facilitaria muito a vida.

Para você que é pai ou mãe e já precisou ou precisa andar com um carrinho de bebê, a acessibilidade facilitaria sua vida?

E tem uma que, caso você não morra jovem, você vai ficar idoso e fará muito uso da acessibilidade. Mas para que exista essa possibilidade, é preciso uma mudança de atitude, de comportamento. Só com a quebra da barreira atitudinal será possível quebrar as barreiras urbanísticas, arquitetônicas, nos transportes, nas comunicações e nas tecnologias.

Tenha você também um novo olhar para as barreiras atitudinais.

Grande abraço.