Rumo à Liberdade!

Já imaginou um cego em uma Harley-Davidson na estrada? Rumo a Liberdade foi o passeio inclusivo realizado em parceria entre o Grupo de Donos de Harley-Davidson  e a ONG Antes do Ouro no último sábado, 02/09, em Curitiba. Confira como foi!

E aí, beleza?passeio-inclusivo-rumo-a-liberdade

Muitos falam em inclusão, direitos das pessoas com deficiência, porém são poucos aqueles que realmente fazem a inclusão.

No último sábado, 02/09/2017, foi realizado o Passeio Inclusivo Rumo a Liberdade promovido em parceria pelo HOG The One Chapter, Grupo de Donos de Harley-Davidson de Curitiba e a ONG Antes do Ouro, que trabalha com atletas Paralímpicos. Esse Grupo de Motociclistas desenvolve algumas ações sociais e essa foi mais uma, que ficará marcada na memória dos participantes.

A proposta do evento foi proporcionar às pessoas com deficiência a experiência de andar em uma Harley-Davidson e aos seus donos uma oportunidade de mostrar a outras pessoas o estilo Harley-Davidson de vida. O Grupo percorreu aproximadamente 70 km, considerando ida e volta, deslocando-se de Curitiba até Campo Largo e na sequencia retornou a Curitiba. O passeio durou cerca de 45 minutos e participaram aproximadamente 30 motocicletas.

Lembro que na minha infância eu gostava muito de motos, principalmente de corridas como Motocross e Supercross, que ocorriam com boa frequência na cidade onde eu morava e nas cidades próximas. Andava muito de bicicleta e imaginava ser um piloto. Adorava ir na pista de bicicross com os amigos.

Mais de 20 anos depois, sem enxergar nada, tive a oportunidade de desfrutar de uma experiência fantástica, proporcionada pelo Grupo de Donos de Harley e a ONG Antes do Ouro. Foi uma mistura de adrenalina com memórias da infância. Uma sensação de liberdade tomou conta ao sentir o vento no rosto.

Estar sobre uma Harley-Davidson, que pesa 450 kg, equipada com motor de 1800 cc. Curtindo um AC/DC, com certeza ficará gravado para sempre.

Priscila Gomes, que é Psicóloga e deficiente visual também participou do Passeio e disse que no início sentiu um pouco de insegurança e medo, mas após o início do trajeto a sensação de liberdade tomou conta das suas emoções. Ela disse que, mesmo não sendo ela quem estava pilotando a motocicleta, realmente se sentiu parte daquilo que estava acontecendo.passeio-inclusivo-rumo-a-liberdade-2

Priscila e eu éramos os únicos com deficiência visual. Outras pessoas com deficiência, como amputados e cadeirantes,  que participaram do evento relataram experiências parecidas.

A lição muito forte que ficou dessa experiência é que a pessoa com deficiência pode estar em todos os lugares. Sabemos que existem limitações, como falou Priscila, um deficiente visual não vai participar de algo assim pilotando a moto, mas pode perfeitamente participar como garupa e sim, estar incluído de fato no passeio.

O Passeio Inclusivo reforçou a importância da Acessibilidade Atitudinal em todos os locais e atividades. A pessoa com deficiência pode sim participar ativamente de situações que muitos não conseguem enxergar como, mas na grande maioria das vezes, o que precisamos é só um pouco de boa vontade.

As soluções são muito mais simples do que muitos imaginam e ainda bem que temos pessoas que sabem disso e desenvolvem eventos como o Passeio Inclusivo Rumo a Liberdade.

O lugar da pessoa com deficiência é onde ela quiser estar. Com Acessibilidade Atitudinal as barreiras são destruídas!

Aproveito para, mais uma vez, agradecer aos organizadores do evento a grande oportunidade de ir para a estrada sobre uma Harley-Davidson!

Tenho você também um novo olhar para inclusão!

Grande abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *